Técnicas Administrativas x Comportamento das Pessoas

Postado dia 21/12/2015
Artigos

Por Vera Garcia

Sabemos que existe uma tendência, no enunciado das formas administrativas das organizações, ao auto gerenciamento e motivação de seus colaboradores, mas a dificuldade em realizar uma mudança profunda na estrutura empresarial faz com que tecnologias sejam confundidas com ferramentas de controle e o capital intelectual seja tomado como recurso, sofrendo as sanções de modernos modelos organizacionais impertinentes com o escopo de suas práticas.

As crenças que moldam o comportamento humano, sejam baseadas na compreensão tradicionalista ou moderna, são determinadas pelas experiências nas organizações, ou seja, não são causas, mas efeitos das diferentes formas de administração.

Ao observar as características administrativas das empresas nos dias de hoje, verifica-se que, mesmo inconsciente, uma boa parte delas pratica uma administração tradicional, onde a administração passa a ser feita com base no comando, além de que, a possibilidade de se mudar uma filosofia administrativa torna-se uma tarefa difícil, uma vez que seu administrador não tem consciência de seus atos; e quando os colaboradores tentam modificar esta característica, acabam por esbarrar na “barreira do poder”, fazendo com que muitos desistam de ir em frente, se acomodando com a situação.

Essa barreira precisa ser excluída numa organização para que ela consiga mudar de uma forma tradicionalista para uma moderna, humanista. A partir do momento que o poder passe da “força” para o conhecimento, a estrutura da organização será mais flexível, fazendo com que oportunidades de criação e inovação passem a existir.

Embora ainda muitas empresas pertençam ao tipo de administração tradicionalista, existem as que pratiquem a administração humanista, onde os funcionários encontram a liberdade de trabalhar como querem, em termos de comportamento, criação, inovando dia-a-dia, tendo apenas como objetivo o sucesso e a efetividade da organização.

É desse tipo de pessoas que o mercado hoje necessita, ou seja, pessoas “poderosas”, mas não no sentido de comando, e sim como inovadoras e criativas, e com isso, possibilitando que a organização atinja o “clímax” do sucesso, além de contar com uma clientela satisfeita e leal aos seus produtos.

Convidamos a todos a participarem desta discussão nos enviando e-mails, dando sua visão sobre o assunto e colocaremos em nosso site as melhores participações que visem contribuir com o tema. Participem!

Vera Garcia

 

Comentarios